Buscar

Só Tom salva

Atualizado: Fev 3



Para Maria Alice Langoni





É aniversário da minha cidade, mas a ficção recai sobre outra. Tudo bem: também é aniversário de Antonio Carlos Jobim.



***


Num hospital. Deitado numa maca. Em Nova York. A caminho da sala de cirurgia. Vendo passar no teto aquela procissão de luzes frias. De vez em quando, alguém de touca e máscara entra em meu campo de visão para conferir se ainda estou. Sim, estou. Mas não posso dizer com certeza.

Devo estar dormindo. Sonhando. Apagado pela anestesia. Ou o anestesista me aplicou uma dose insuficiente. Acontece. Mas não devia. Gringo burro.

Faz falta um piado. Ou uma jabuticaba cair na testa. Alguma alegria seria pedir muito, mas bem que o enfermeiro que empurra a maca podia contar algo engraçado para a mulher que puxa pela frente. Tão engraçado que, de tanto rir, ela precisaria se deitar ao meu lado na maca. Espaço tem.

É mesmo Nova York? Ou uma ilusão causada pela anestesia? Difícil precisar sem janela. Podia ser São Paulo, mas então por que eu estaria tão só? Talvez à mesma hora estivesse acontecendo a final da Copa do Mundo. Ou na TV estivessem anunciando que o Brasil finalmente aconteceu. E eu aqui, sem entender lhufas do que me dizem, uma mistura de sânscrito, língua do p, gírias arcaicas e o mais puro desalento.

Opa. A maca dá um cavalo de pau e vira à esquerda. Então chegamos. Numa sala tão fria que minha confusão se decide por Nova York. Uma luz forte fecha meus olhos. Sonho ou finalmente a anestesia faz efeito? Que cansaço, minha mãe. Não permita Deus. Minha terra tem cocada, batráquios e (ainda) frentistas de gasolina.

Foi quando aconteceu.

Não me perguntem como, porque não há música ambiente em corredores hospitalares, muito menos em salas de cirurgia. Pouco provável que viesse de um radinho de pilha ou algum celular esquecido de desligar. Não consigo explicar de onde veio.

Mas eu ouvi, clara e limpidamente ouvi, “Corcovado” com Tom ao piano. Aquela flauta na introdução e a imensa beleza a invadir o ambiente. Imediatamente o frio diminuiu, uma cachoeira jorrou no corredor, e o enfermeiro percebeu acima da máscara que a anestesista tinha olhos castanhos.

Naquele instante, tive certeza de que tudo sairia bem.


.

32 visualizações0 comentário

©2020 by Os Impostores