Buscar

Aos Bravos, Minha Sincera Inveja

Invejo os clientes felizes e sedentos nos bares do Leblon.


Minha sede e minha fome da noite ainda são muito menores do que meu medo dessa escuridão toda.


Invejo os torcedores aflitos pelo resultado do futebol.


Minha enorme paixão de outrora ainda não encontra voz em toda minha descrença de agora.


Invejo muito essas crianças no mar, esse vendedor de mate e aqueles jogadores de futevôlei.


Minha ansiedade pela vida de antes ainda não ganhou fôlego.


Invejo sinceramente a moça descuidada na papelaria e a senhora orgulhosa na cadeira da manicure.


Invejo o rapaz de gravata que caminha alheio à vitrine vazia.


Invejo até mesmo o alívio da caixa da lanchonete abrindo a porta e seu sorriso escondido sob a máscara.


Invejo toda essa coragem e pulsão pela vida de ontem.


Mas dessa coragem eu não carrego um terço sequer.


Trancado em casa e em meus sonhos ruins, mantenho por ora apenas minhas incertezas e essa sensação desoladora de que o único errado sou eu.


115 visualizações8 comentários

©2020 by Os Impostores