Buscar

E agora, Joseclayson?

E agora, Joseclayson? A água secou, a luz apagou, a conta subiu, o vírus surgiu, a barragem estourou, a passeata dispersou, e agora, Joseclayson?

E agora, você? Você que tem nome americanizado, que é motivo de chacota, você que posta, tira selfie, compartilha, se expõe, e agora, Joseclayson?

Está sem mulher, está sem emprego, está sem partido, já não pode beber e dirigir, já não pode fumar no trabalho, não pode sair de carro em dia de rodízio, cinema já não pode, o ingresso aumentou, o metrô não veio, o ônibus não veio, o bonde sumiu, o flanelinha surgiu, a bala se perdeu e tudo acabou, tudo se avacalhou e tudo se roubou. E agora, Joseclayson?

E agora, Joseclayson? Sua palavra ressentida, seu isolamento social, seu jejum eterno, a biblioteca pública só na promessa, sua esperança na loteria, seu único terno, sua incoerência, seu ódio de classe – e agora?

Com o GPS ligado, você quer achar a saída, não existe saída; quer morrer no mar, mas mataram o mar; quer ir para Minas, Minas se mudou para os States, volta sei lá quando; se bobear, nem Brasil há mais, Joseclayson, e agora?

Se você gritasse, se você traficasse, se você aceitasse o dinheiro vivo na maleta, se jogasse pedra na vidraça, se chorasse do gás lacrimogêneo, se tocasse um brega sertanejo, se você desistisse, mas você não desiste, você é forte, Joseclayson (pelo menos até o próximo surto de dengue)!

Abandonado qual bicho-do-mato, sem utopia, sem parede nua para pichar, sem educação saúde moradia segurança saneamento futebol respeito orgulho, sem aeroporto para fugir, trem para pegar, você marcha na ciclofaixa.

Joseclayson, para onde?



98 visualizações5 comentários

©2020 by Os Impostores