Buscar

O pior papel de Regina Duarte.

Atualizado: 9 de Mai de 2020

Pronto.

Lá se foram 40 minutos e 25 segundos da minha vida, que nunca mais vão voltar.

Gastei assistindo a Secretária Especial de Cultura, Regina Duarte, em sua surreal entrevista à CNN.

O chilique é o que mais foi divulgado.

Quem dera fosse só isso.

A entrevista na íntegra revela uma pessoa desvairada, confusa, muito mais do que apenas despreparada para o cargo.

Não surpreende.

A namoradinha do Brasil, a Malu Mulher é a vidraça de sua classe e não faz ideia de como lidar com a rejeição.

Regina Duarte ainda está abestalhada por constatar que não faz a menor ideia do que se espera dela, nem em ações, nem em discurso.

É evidente que ela aceitou o cargo para emprestar seu nome ao presidente que admira.

Bolsonaro faz isso sistematicamente.

Se vale de uma celebridade e usa o prestígio do nome em sua política populista.

Não é uma estratégia nova ou incomum.

É só imoral, já que não leva em conta o preparo, ou mesmo as intenções do indivíduo que terá enorme poder sobre um setor qualquer do governo.

Foi assim com Moro e com a própria Regina, só para citar dois exemplos.

Fica evidente que ela foi colocada ali para ficar quietinha e apenas assinar o que seu presidente mandar.

Por sua vez, como o presidente, está no lugar errado, na hora mais errada possível.

Porta-se como uma criança que ganhou um carro zero.

Está deslumbrada mas não faz a menor ideia de como usar.

Então leva uma “colinha“ sobre o que fez nos últimos 60 dias sem sequer saber se fez mesmo alguma coisa.

Estranho para quem decorou roteiros a vida toda.

Ao menos desse constrangimento poderia ter se poupado.