Buscar

Quando se deixa de ser criança


A gente deixa de ser criança quando não acha mais espirro engraçado. Nem homem careca (às vezes, até vira um). Quando pensa que é a coisa mais normal do mundo a estátua do Cristo estar lá em cima da montanha e que passear no Bondinho é programa de turista. Deixa-se de ser criança por muito pouco.

A criança desaparece – plim – quando os olhos espiam um gramado e não sentem uma vontade incontrolável de procurar tatu-bolinha. Quando se passa a classificar hambúrguer como comida, e não algo divertidíssimo que, se a gente apertar aqui, sai um molho ali, uma alface acolá, até saciar o desejo de sujar todos os dedos das mãos e o redor da boca num tanto que não há guardanapo que dê jeito.

A criança pede as contas em caráter inegociável quando o cidadão acha que passarinho é apenas uma entre todas as criaturas da Terra. Dá-se conta, de uma hora para outra, que a camisa xadrez não combina de jeito nenhum com a calça listrada e que não se devem misturar pares de meias. Adeus criança, se a pessoa vê uma mangueira furada, espirrando água, e não pula na frente para se molhar toda.

Se o pobre vê na praça uma bola vir pingando em sua direção e a despreza, deixando-a passar, sem tentar um chute no gol ou uma matada que faria os dois times carregá-lo em triunfo, é que a alma já murchou, ocupada com Imposto de Renda e reuniões de condomínio. Adeus, quando a pessoa explica em detalhes como quer que o cabelo seja cortado.

Deixa-se de ser criança quando a paixão pela professora vira respeito. No dia em que se começa a achar graça em banho. Se trânsito vira assunto. Quando se sabe que, ao fim de um eclipse, a luz do sol voltará, tudo será como sempre foi, e não o início de uma noite eterna, sem sossego para vaga-lumes e fantasmas. No momento em que a vitória do mocinho sobre o bandido não é mais saudada por palmas entusiasmadas e gritos em pé na poltrona do cinema.

Morre a criança quando nasce a vergonha.

Lá vai a criança se afastando no trem quando você deixa de se encantar por trens. Olha para o lustre de madrugada e enxerga tão-somente um lustre, não uma mistura de vampiro, aranha e polvo voador. Ou sonha com a menina bonita da classe e acha que não tem a menor chance porque não passa de um crianção. Chega no caixa da padaria e não é tomado por uma estranha hipnose diante do pacote de jujubas.

Mas, definitivamente, a gente deixa de ser criança quando os pais nos deixam para ir morar num mundo lá em que eles creem – eles, que nunca deixaram de nos enxergar como uma linda (mesmo careca), inocente (mesmo imaginando coisas com a professora), brilhante (mesmo matando bolas e chances na canela), corajosa (mesmo vendo coisas em eclipses, lustres e sombras) e eterna criança.



146 visualizações8 comentários

©2020 by Os Impostores